Sentido...

37 comentários
 


Um belo dia a gente acorda com uma grande questão:
To be, or not to be? Shakespearianamente falando, uma bela frase....
Ou simplesmente: quemcosô, doncovim, oncotô, proncovô?
Ou traduzindo todo esse emaranhando de palavras, cadê o sentido das coisas, da nossa vida, de tudo que fazemos mecanicamente todos os dias?
Como robôs vamos vivendo uma dia atrás do outro, e de repente, não mais que de repente, uma bela manhã, todas essas coisinhas que fazemos roboticamente perdem o sentido.
Como nessa fotografia, desse cajueiro que se perde num intricado entrelaços de galhos, também nossa vida se perde num intrincado mapa de caminhos, impossível de ser decifrado, e aí começa a dúvida atroz: Onde está o norte?
Acho vou alí, comprar uma bússola...



.

37 Comentaram...

  1. Hod says:

    É assim com todos Ava. em menor ou maior grau. As vezes parece que despertamos de sonhos para viver numa realidade caótica que exige de nós o máximo. Dormimos sob pressão, e passamos o dia sob pressão, é complexo. Creio que passar à fase de solitude é uma forma de traçar novos caminhos, após o coração apontar novo caminhos.

    Beijo pra vc.

  2. Já vi que não é o 'cajueiro' a
    indicar-nos o Norte.....E eu, que
    ando perdido como ele...
    Beijo

  3. Bia Maia says:

    Por isto que no meio deste caos, procuro fazer a minha parte e deixar minhas marcas...sjudar o próximo me faz um bem danado....para mim é um "norte"...pois trabalho como louca para alguma coisa, não?Programos deliciosas viagens de vez em quando, amo minha família, faço questão de nos encontrarmos, pararmos um pouco no meio do agito para um almoço curtido,abraço e beijo quem amo, rio, choro, me entrego ao coração....senão...podemos virar ROBÔS!!!!!

    beijos em seu coração!

    Bia

  4. Traz duas, amiga!
    Também to precisando.

    Beijo grande e ótimo fim de semana pra você.

  5. e é justamente em busca de respostas que, de novo, estou me despedindo...

    deixo aqui meu carinho, meu beijo e os votos quer você "se reencontre" logo.

    adorei o post.

  6. tossan says:
    Este comentário foi removido pelo autor.
  7. tossan says:

    Bússola? Não é preciso.
    Temos a sapiência das estrelas nos nossos corações, mas há de procurar dentro de nós.
    Não sei se amanhã estarei vivo, portanto não me importo mais com todo esse emaranhando de palavras sem sentido...Não tenho mais tempo pra isso eu quero viver, pulo as pedras no meu caminho, se cair levanto de novo e sigo em frente. Parei de reclamar e vou ao encontro da minha serenidade. Beijo

  8. Branca says:

    O Tossan falou lindamente.
    É por aí, me adequo às situações que a vida impõe.

    Bom domingo amiga e uma semana de muita paz!
    Bjinho carinhoso.

  9. Além da direção, precisamos dar um verdadeiro sentido as nossas vidas.

    Eu encontrei na fé a minha bússola.


    beijos e uma ótima semana

  10. LINDAMENTE COM VC AVA. ESTOU NOVAMENTE CAMINHANDO NA TRILHA DA POESÍA EM ISLA NEGRA, ESPERO VC CARINHO

  11. Natália says:

    Dizem que o que procuramos é um sentido para a vida.
    Penso que o que procuramos são experiências que nos façam sentir vivos.
    (J. Campell)

  12. Onde está o norte?
    Sempre em frente, minha cara.
    É lá que ele está!

    A vida acaba todo dia e recomeça no segundo seguinte, todos os dias.

    E a gente segue junto, cada um com seu próprio labirinto pra desvendar/atravessar/escapar.

    Há amores, há coisas novas, há amigos pelos corredores - tentando o mesmo - que vem, que ficam, que vão, que voltam...

    E só por tomarem parte de nossas vidas, pelo mínimo que seja, já terão feito com que ela tenha valido a pena!

    E mesmo o que se perdeu, já é nosso pra sempre. Fica guardado dentro de nós.

    Um dia, haveremos de os reencontrar, tudo e todos, bem lá, ao norte de nossos coraçães!

    Um grande beijo!
    Uma ótima semana pra ti!

    j.

  13. Oi Ava...te ntendo...a vida as vezes vai e volta como as raízes do cajueiro que seguem seu caminho
    Pasam por caminhos as vezes complicados, uns mais dificeis, outros mais fáceis e asim vamos contornando as horas, os dias, as semanas, os meses...enfim...mas dentro de nós está a bússsola, o caminho...o verdadeiro sentido que muitas das vezes não conseguimos mesmo alcançar ou não como diria Caetano...
    Viva cada dia...acho que assim o peso fica menor...
    Um abraço na alma...
    Beijo

  14. Ava: o seu horizonte poético...está a cada dia mais amplo...parabéns...abraços carinhosos pr ati

  15. Ava, essas palavras são quadros de uma explosão de cores sem fim...

    Fico tentando imaginar se isso é sua personalidade, esse traço forte que sinto em suas palavras...

    São de uma beleza ofuscante!!!

    BB
    António

    PS Estive a rever os comentários de uma postagem que fiz em Maio de 2009, para a nova série que estou a preparar e reli estas suas palavras... Devolvo-as em dobro!

  16. e eu vou contigo amiga ,amei viu ?saudades imensas!

  17. MENEZES says:

    Feliz dia do Amigo para a minha primeira seguidora! Pensa que esqueci é? bjs

  18. O Amor nunca deverá ser responsabilizado por dores,perdas ou danos e tem amplos poderes para neutralizar todas as batalhas, sejam elas emocionais, familiares ou sociais...FELIZ DIA DO AMIGO,
    BOAS ENERGIAS!
    Beijos,
    Mari Amorim
    Brincando Com a Rima

  19. Branca says:

    FELIZ DIA DO AMIGO!

    “De um amigo ninguém se livra fácil.
    A amizade além de contagiosa
    É totalmente incurável”.

    [Vinicius de Moraes]

  20. Querida amiga.

    Penso que o sentido da vida,
    está no sentido que damos
    a esta vida.
    Quem opta pela alegria,
    encontra uma forma
    de desatar os nós,
    e tirar do coração
    tudo o que impede que a vida
    seja plena em si.

    Alegrias plenas para ti.

  21. Série Fragmentos "Grande Poeta" chegou ao fim.
    Espero que tenha gostado.
    Beijos.

  22. Oi, minha querida! Não tenho vindo, porque estou com alguns problemas, mas não me esqueço de ti*
    Lindo!

    *Na verde encosta coberta de asas
    já repica um azul de violetas.
    Somente ao longo da floresta escura
    demora a neve em línguas dentilhadas,
    mas gota a gota se vai desfazendo
    atraída pela sede da terra.
    No pálido céu alto pastam alvos
    rebanhos de nuvens. Um pintassilgo
    em amoroso canto se desfaz:
    - Homens, amem-se e cantem em paz!

    Hermann Hesse*

    Entro e saio, hoje fiz mudanças, o meu blog não já não é "o mais lindo da Net":)))
    Mas as mudanças interiores são muito melhores.
    Beijos amor* Espero que estejas bem!!!
    Renata

  23. Ava,

    Ainda que nos percamos às vezes, sempre descobrimos o caminho de volta.
    Boa sorte!

    Enfim, voltei... rs.

    Beijos!

  24. Querida amiga Ava

    Hoje estou passando para agradecer
    a sua amizade.
    Amizade que torna a vida preciosa.
    Que enche de cores as minhas palavras.
    Que me faz ainda mais feliz,
    com o afeto distribuído
    a cada visita,
    a cada comentário
    e a cada palavra escrita
    no livro dos meus dias.

    Sua amizade me faz melhor.

  25. Escrevi hoje
    em minha confeitaria:
    vivemos "na balança".

    Pouco sabemos
    e muito oscilamos.

    Beijo,
    Doce de Lira

  26. OLÁ AVA,

    extraordinario texto, cuja ilustração fotográfica dos galhos do cajueiro, não deixam nenhuma dúvida quanto a competência da exatidão de sua proposta.

    No meu blog, esta semana escrevo, exatamente, sobre isto:

    A superficialidade, a transitoriedade, o efêmero, a "morte da permanência", segundo Alvim Toffler, um dos maiores sociólogos vivos de todos os tempos, quanto aos nossos hábitos e costumes.

    Uma sociedade do celular descartável, e agora o que é pior : as pessos - pelo menos aqui no Rio de Janeiro - fingem estar falando no celular quando andam na rua, para não serem cumprimentadas por um conhecido, amigo ou evitar qualquer tipo de diálogo com estranhos.

    O esgarçamento do tecido social, no qual ,cada um dos membros de uma família, tem seu televisor, computador, celular (neste caso vários (rs)- e as portas vivem trancadas, ou seja cada um realmente, fechado no seu quadrado.

    Relações afetivas viraram jogo de bingo, e duram o suficiente para enchermos novo cartão com os números da sorte(?), e aí acaba aquele tênue relacionamento que "começou" faz pouco tempo.

    E sabe a razão AVA?

    É porque os relacionamnetos afetivos hoje, começam pelo final.

    Na maioria dos casos, no dia seguinte,ainda na cama, um pergunta para o outro:

    -Ué, o que é que você está fazendo aqui? (rs).

    Perdemos a bússola do nosso comportamento ético, perdemos o Norte da dignidade dos nossos objetivos, e talvez numa linguagem Nelson Rodriguiana, perdemos , completamente , a vergonha na cara!

    Parabéns, AVA pelo seu texto ilustrado por esta foto magnífica.

    E peço, desculpas por ter sido tão prolixo pois, apesar de minha praia ser o humor, quando sou instigado por textos inteligentes como o seu,aí não consigo "segurar a língua", como dizia minha querida avó!

    Um abração carioca e fique com Deus!

  27. OLÁ AVA,

    extraordinario texto, cuja ilustração fotográfica dos galhos do cajueiro, não deixam nenhuma dúvida quanto a competência da exatidão de sua proposta.

    No meu blog, esta semana escrevo, exatamente, sobre isto:

    A superficialidade, a transitoriedade, o efêmero, a "morte da permanência", segundo Alvim Toffler, um dos maiores sociólogos vivos de todos os tempos, quanto aos nossos hábitos e costumes.

    Uma sociedade do celular descartável, e agora o que é pior : as pessos - pelo menos aqui no Rio de Janeiro - fingem estar falando no celular quando andam na rua, para não serem cumprimentadas por um conhecido, amigo ou evitar qualquer tipo de diálogo com estranhos.

    O esgarçamento do tecido social, no qual ,cada um dos membros de uma família, tem seu televisor, computador, celular (neste caso vários (rs)- e as portas vivem trancadas, ou seja cada um realmente, fechado no seu quadrado.

    Relações afetivas viraram jogo de bingo, e duram o suficiente para enchermos novo cartão com os números da sorte(?), e aí acaba aquele tênue relacionamento que "começou" faz pouco tempo.

    E sabe a razão AVA?

    É porque os relacionamnetos afetivos hoje, começam pelo final.

    Na maioria dos casos, no dia seguinte,ainda na cama, um pergunta para o outro:

    -Ué, o que é que você está fazendo aqui? (rs).

    Perdemos a bússola do nosso comportamento ético, perdemos o Norte da dignidade dos nossos objetivos, e talvez numa linguagem Nelson Rodriguiana, perdemos , completamente , a vergonha na cara!

    Parabéns, AVA pelo seu texto ilustrado por esta foto magnífica.

    E peço, desculpas por ter sido tão prolixo pois, apesar de minha praia ser o humor, quando sou instigado por textos inteligentes como o seu,aí não consigo "segurar a língua", como dizia minha querida avó!

    Um abração carioca e fique com Deus!

  28. OLÁ AVA,

    extraordinario texto, cuja ilustração fotográfica dos galhos do cajueiro, não deixam nenhuma dúvida quanto a competência da exatidão de sua proposta.

    No meu blog, esta semana escrevo, exatamente, sobre isto:

    A superficialidade, a transitoriedade, o efêmero, a "morte da permanência", segundo Alvim Toffler, um dos maiores sociólogos vivos de todos os tempos, quanto aos nossos hábitos e costumes.

    Uma sociedade do celular descartável, e agora o que é pior : as pessos - pelo menos aqui no Rio de Janeiro - fingem estar falando no celular quando andam na rua, para não serem cumprimentadas por um conhecido, amigo ou evitar qualquer tipo de diálogo com estranhos.

    O esgarçamento do tecido social, no qual ,cada um dos membros de uma família, tem seu televisor, computador, celular (neste caso vários (rs)- e as portas vivem trancadas, ou seja cada um realmente, fechado no seu quadrado.

    Relações afetivas viraram jogo de bingo, e duram o suficiente para enchermos novo cartão com os números da sorte(?), e aí acaba aquele tênue relacionamento que "começou" faz pouco tempo.

    E sabe a razão AVA?

    É porque os relacionamnetos afetivos hoje, começam pelo final.

    Na maioria dos casos, no dia seguinte,ainda na cama, um pergunta para o outro:

    -Ué, o que é que você está fazendo aqui? (rs).

    Perdemos a bússola do nosso comportamento ético, perdemos o Norte da dignidade dos nossos objetivos, e talvez numa linguagem Nelson Rodriguiana, perdemos , completamente , a vergonha na cara!

    Parabéns, AVA pelo seu texto ilustrado por esta foto magnífica.

    E peço, desculpas por ter sido tão prolixo pois, apesar de minha praia ser o humor, quando sou instigado por textos inteligentes como o seu,aí não consigo "segurar a língua", como dizia minha querida avó!

    Um abração carioca e fique com Deus!

  29. Ei!
    Ms a grande sacada da vida
    é que
    pra onde a bussola apontar temos
    o privilegio de dizer
    se queremos ou não seguir pra la.
    Adoro isso.
    Te espero la no meu canto.
    Bjins entre sonhos e delírios

  30. A.S. says:

    Ava... os caminhos da vida sempre nos surpreendem, parece que não fazem sentido, mas nada acontece por acaso...


    Beijosss
    AL

  31. Rosana says:

    Olá... vim rever-te, encontrei um texto que define pelo que vi, não só o meu estado de espírito, mas o de muita gente, o pior, parece que todas as bússulas que eu compro, estão quebradas... um grande beijo em seu coração, quando puder me faça uma visita.


    Rosana

  32. Rosana says:

    Vim agradecer a visita e dizer que o texto não está aparecendo para algumas pessoas, não entendo, é um texto do Charles Chaplin, "A vida me Ensinou", seguido de um comentário meu, pena não conseguir ler, mas de qualquer forma, obrigada de coração pela visita, beijos no seu coração!

  33. ººº
    Passando p'ra desejar o tal carinho especial.

    Sdd tua, NUNCA mais falamos.

    Bjooo e boa semana.

  34. Dei boas gargalhadas com seu texto... principalmente com a questao do mineirim... quemcoso, proncovo... demais!!!
    Beijos, flores e muitos sorrisos!

  35. eu já fui mais pirada com essas indagações... hoje eu deixo rolar e me preocupo mais com as coisas práticas do que com as filosóficas! rs

    grande beijo.
    menina fê*

  36. Creio que toda vez que nos sentimos perdidos, destituídos de sentido é porque algum ciclo está se fechando e chegando algo novo que ainda não conseguimos enxergar.Grande abraço.

  37. Mas Ava, as vezes não facilitamos a parte de não ter tantos emaranhados na nossa vida, seja até para saciar o nosso ego, ou por não sabermos o que queremos...

    Fique com Deus, menina.
    Um abraço.

Novo Comentário